Qual a sua motivação para escrever sobre este tema?

Atualizado: Jan 24

Esta foi uma das perguntas que mais apareceram no Messenger, e é uma boa pergunta. Afinal, em um mundo tão atribulado, com tantas incoerências sociais, políticas, econômicas e religiosas, por que falar de outras culturas ? Por que buscar entender outras humanidades e espécies de vida diferentes de humano terrestre?

A resposta é simples, conhecimento!

Estamos a um passo de colonizar outros planetas que consideramos inabitados, portanto, apto à exploração e invasão. Sim, não deixa de ser uma invasão. No entanto, quando você esbarra seja acidentalmente, ou buscando pelo fato, em algo que você não tem uma explicação dentro da lógica humana automaticamente você busca por respostas.

Elas chegam? Não, nem sempre elas chegam. Mas, não pense em teorias de conspiração, ou outro motivo obscuro. A história humana foi contada de acordo com a evolução humana e de acordo com interesses de grupos dominantes. Isto ainda acontece em pleno século XXI. A arqueologia e a paleontologia têm trazido à luz da ciência, e a própria ciência tem comprovado o que negava, fatos incontestáveis sobre o “quando” o homem surgiu. Cada vez ela , a ciência, descobre um dado novo, um elemento que faltava, sendo que os diversos manuscritos e estelas guardadas, algumas a sete chaves, trazem uma cronologia que ainda não encaixa nas descobertas atuais. Dificilmente chegarão a um consenso, pois várias raças estiveram aqui em tempos incontáveis. Aquelas que conseguiram ser registradas através de povos pré-diluvianos datam de aproximadamente 450.000 anos.

As viagens espaciais trouxeram um grande avanço tecnológico para a humanidade, e aos poucos vamos descobrindo que não estamos sozinhos como foi imposto ao ser humano. Após algumas evidências que não puderam ser barradas graças à simultaneidade com que a informação chega hoje , em tempo real, governos e grupos de poder estão reavaliando em como colocar informações antes negadas ao público em geral.

Toda a humanidade terrestre está ciente dos fatos? A parcela que está conectada aos meios digitais e canais de informação podem até ter uma parte desta informação, mas uma boa parte está ausente dela. Então qual a motivação para falar sobre vida não humana, ou seja, não pertencente ao planeta Terra?

Fazer a sua parte e buscar conhecimento, esta é a resposta. Quando você vivência experiências que não fazem parte do dia a dia formal, não tem como ficar alheia, enfiar a cabeça no buraco e dizer: - Não vi, não sei, não quero saber.

Você quer saber, e você encontra outros com as mesmas dúvidas, algumas destas pessoas passam por situações penosas, pois são ridicularizadas, ou rejeitadas em seu meio social. Com a compreensão que você adquiri ficar calada não é uma opção, você conversa com quem busca a informação, compartilha o que aprendeu, e o que está sendo disponibilizado como informação mais verossímil. Você tem algumas respostas, e guarda-las não é mais opção.

Não existe a necessidade de inventar nada, ou dizer eu sei a verdade, por que ninguém sabe tudo. Cada experiência é individual, mesmo que vivenciada no coletivo. Cada um vai interpretar ou assimilar de acordo com seus parâmetros e cultura. Portanto, você é apenas uma referência entre muitas onde ele pode encontrar informação, tirar dúvidas, e chegar às suas próprias conclusões.

Senhores dos Céus, por Irenia, traz em sua narrativa o diário de um grupo de contatados descrevendo sua relação com outras civilizações e as razões desta troca de experiência.

Vários fatos ali narrados são verídicos, mas contados como ficção, pois os envolvidos não querem ser identificados. As razões são as mais diversas, desde o meio social e familiar, ao religioso. Respeitamos e mantemos o sigilo. A nossa parte é o que assimilamos nestas décadas de experiências e algumas poucas conclusões que auferimos.

A pergunta que faço a você que chegou até aqui é: - E se fosse com você? Qual sua reação ao saber que ao seu lado está uma forma de vida que não é humana, apesar do aspecto ser igual ao seu? Ou, e se você se deparar com uma figura humanoide, ou nada humana?

São várias as situações simuladas, mas a mais comum : fuga. Esta é a motivação além do conhecimento, ser capaz de interagir e não fugir.

Se não conseguimos nos entender enquanto humanidade, se não nos entendemos enquanto linguagem – o Google tem facilitado, mas nem todos usam - , como iremos entender outros códigos de linguagem tão diferentes?

O SETI e o METI, bem como a NASA têm em seu manual protocolos para o contato com raças extraterrestres e estudo de línguas alienígenas. Não é ficção, é realidade. Nós nos envolvemos neste campo de estudo e estratégia, e há alguns anos estamos desenvolvendo estudos sobre Xenolinguistica buscando referências em dados arqueológicos ainda pouco divulgados, e em contatados. Sabemos que nem todos aqueles que classificamos como alienígenas chegam de fora do planeta, alguns estão aqui a muito mais tempo do que imaginamos.

Portanto, se entendermos que nosso sistema solar está em um Universo quântico, e que este nosso sistema solar e quadrante é um depositário de vidas, talvez com as novas descobertas que a ciência tem trazido à luz do conhecimento, em conta gotas, seja mais fácil começar a abrir nossa mente para um mundo totalmente novo e que exigirá de cada ser humano um exercício de “humanidade” . Quem sabe nos uniremos mais enquanto humanos, e entenderemos que somente estamos aqui porque a vida é abundante no Universo.

Saúde e Paz!


2 visualizações

​SIGA-ME

  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • YouTube Social  Icon

© 2023 por Senhores dos Céus, Irenia. Contato: zericks@terra.com.br. Orgulhosamente criado com WixPRO